Thursday, June 22, 2006

FERNANDA ZUIM (BUSCAGLIA)

Para uma grande amizade, um grande amor, a tentativa de homenagem.
Fernanda, essa é pra você.


Nossos sentimentos não podem ser medidos, principalmente por quem nunca leu ou ouviu falar no Léo.
Para quem nunca viveu o que vivemos e para quem nunca sentiu a intensidade daquilo que construímos.
Só será capaz de (tentar) decifrar este amor, aquele que, intensamente, de peito aberto, mergulhar no mais puro sentimento do amor mútuo que carregamos.
Aquele que aprendeu que não há necessidade da reciprocidade, talvez, aproxime-se um pouco dos nossos corações.
Saber gozar a felicidade simples é nossa arte.
Poder suprir um vazio é nossa satisfação.
Estar longe e, mesmo assim, sentir o bater do coração do amigo, não é para qualquer um.
Somos responsáveis por isso porque nos cativamos, porque criamos este sentimento e não podemos ( E NEM QUEREMOS) fugir dele.
Mágicos são os momentos que, do nada, ( sabemos que não é do nada né?) sentimos a presença um do outro, até o calor.
Estranho se isso não acontecessse porque forte é a presença quando amamos.
Célia Marta, Rico, Luchi, tudo faz parte... Edith, Mariana, Cris, tanta coisa.
A maravilha disso tudo é poder lembrar, escrever longas, e inúmeras páginas daquilo em que apostamos: A Vida!
Saiba que suas lágrimas transformam-se em um pranto resignado em mim.
Suas risadas longas, soam como um misto de saudade e preenchimento.
Suas conquistas são e serão sempre minhas também porque nossos mundos são conquistados assim, com a mesma garra.
Eu quero lembrar, para sempre, do dia em que todas as estrelas enfileiravam-se no céu para espiar o Grande Encontro e a lua nos seguia iluminando, o que seria, para sempre iluminado: Nossos caminhos.
Amo-te e nem esta distância, que nós mesmo criamos para justificar a palavra Saudade, vai tirar você do meu peito.

2 comments:

Fernanda said...

Rico (Buacaglia),
O amor a gente sente e ponto. Ele vence a distância, o tempo... Quando a gente sente o amor puro, a gente não precisa explicar, ele flui, as palavras não precisam ter freios e saem naturalmente como se brotassem do coração... é isso! Amei o texto tão especial e poético. É como se o tempo parasse e todas as lindas memórias de risos,estórias e vidas voltassem com cores, sons, perfumes, sabores... e me dá a certeza de que quero continuar VIVENDO, AMANDO E APRENDENDO... Beijos, Fernanda Zuim (Buscaglia). Acho que somos todos uma grande familia!!!!

Elias Nunes de Oliveira said...

É.....

DE REPENTE 51

De repente 51.. Não, não foi de repente. Foram todos, um a um construídos com a determinação que quem sempre soube o que veio fazer nesse...