Monday, April 23, 2012

A LINHA DO EQUILÍBRIO

Meu amigo me disse:
"Procure, sempre, seguir uma linha reta na sua vida, sempre próximo a ela, nem muito acima nem muito abaixo".

É claro que nem sempre ( e nem sei se é o ideal) conseguimos andar "em cima da linha".

Variações são necessárias desde que não se afastem muito da linha. Um pouco acima, um pouco abaixo. Porque é assim que a vida é conduzida, com movimentos, conforme nós vamos vivendo e fazendo nossas escolhas.

Existem sim picos de euforia e picos de depressão que nos afastam dessa linha e aí é que acontece o excesso.

Precisamos tomar cuidado e, principalmente, não tomar nenhuma atitude em clima de excesso.

Pessoas "muito felizes" em picos de euforia tendem a prometer tudo, tomar decisões, propor casamentos, etc.
Pessoas 'em depressão" tendem a cometer bobagens pois acham que nada mais vai dar certo.

Nem em um momento nem em outro as decisões são saudáveis.

Buscar estar próximos da linha, sempre um pouco acima ou um pouco abaixo é mais seguro.

Altos e baixos sempre vão acontecer o que precisamos é encontrar o equilíbrio e não tentar decidir tudo no calor desse momento, para não se arrepender.
Aconteceu? ok! Pare, exercite a capacidade que você tem de centralizar e lembrar que qualquer decisão nesse momento pode ser catastrófica.

A forma da sua busca é você que desenvolve, é você que resolve em que  ou em quem vai se amparar.

Quem já não passou por  apuros?
Quem já não pensou que nada mais daria certo? Que não encontraia mais ninguém que te fizesse feliz?
Quem já não prometeu coisas e coisas em momentos de euforia e depois se arrependeu?

Então vamos buscar que nossa vida seja paciente; que  superemos os altos e baixos a que é sujeita sem ser posta a prova.
Que seja fértil; que se regue das lágrimas que trouxer, sendo estas de dor ou de alegria.
Que seja próspera e deixe o que passou para trás, como simples recordação.


Altos e baixos vão acontecer, mas que sejam bem próximos da linha mestra.



LEMBRANÇA

Basta uma lembrança, esse estímulo da alma. Basta um único olhar cuidador para que tudo venha à tona. E aí percebe-se que não basta existi...