Tuesday, May 15, 2012

MINHA RAINHA

Eu acredito que toda mulher carrega em si um ventre fértil, independente da geração tradicional.
O ventre é o lugar  de onde emana o amor feminino primeiro.
A força e a determinação de uma mulher que muitos não conseguem entender, vem sim do seu ventre.

Minha Rainha  de um ventre sublime , trouxe-nos, todos com esse amor e esa determinação que só quem sabe realmenmte o que é dedicação, o faz.

Minha mãe, minha rainha é, simplesmente, a mistura de tudo o que vivemos, ou melhor, da maneira que nos propusemos a viver.

Hoje, lembrando de tantas coisas, de tantos momentos, percebo que tudo fica, tudo permanece quando se traz à atualidade aquilo que vivemos com tanta intensidade.

Minha mãe é como aquela figueira que tínhamos alí atrás de casa, frondosa, forte, doadora de muitos frutos que quando estavam amadurecendo eram cobertos um a um com um saquinho para que os predadores não os atacassem até se tornarem "adultos", prontos.

E assim fomos nós, cobertos, protegidos, aquecidos, até termos condições de nos mostrar ao mundo.

Todos muito unidos em um lugar só, acolhidos e arrumados como aqueles pepinos que "assentávamos"  nos vidros e que virariam alimento para o ano todo.

Assim como aquelas frutas maduras retiradas do pomar para se transformarem em doces saborosos, açucarados nas borbulhas que faziam no enorme tacho de cobre ´. Assim minha mãe foi nos conduzindo, nos transformando.

Moldando-nos em diferentes formas, assim como suas bolachas de  melado para o Natal, cada uma com diferentes formas e confeitos.

Nossa melhor cozinheira nos traz à lembrança aquelas fornadas de pão caseiro, Muitas rosca de polvilho, tantos pães sírios, o melhor quibe do planeta, o incrível macarrão caseiro secando em cima dos panos de prato. Deliciosos cuques de banana ou farofa.  O inacreditável suco de uva que ela mesma espremis no saco branco pendurado em um gancho. A verdadeira maionese é dela ! A suculenta sopa de feijão, o frango abatido  do galinheiro que virava um manjar do qual cada um tinha seu pedaço favorito!
E sempre, sempre comida em cima do fogão a lenha. Fogão que alimentava e aquecia.

Nossa mais linda e elegante Dama sempre arrumada, sempre, sempre com unhas bem pintadas de vermelho, sempre, sempre com batom nos lábios, nos enche de orgulho até hoje quando, mesmo em casa, desfila  com sapatos de salto nos presenteando com sua vaidade absurdamente bem dosada.

Nossa mais linda e dedicada mulher da sociedade, de tantos trabalhos voluntários e caridosos àqueles que não tinham sequer o que comer, lá estava ela, sempre disposta, sempre sensível.

Nossa mãe, noso orgulho.
Orgulho de falar da senhora, orgulho de tê-la como nossa querida e amada mãe que tantas fezes vimos chorar escondida na sua imensa fé, sempre a nos proteger.

Minha Rainha, nada no mundo se compara à senhora, nada no mundo é maior do que o nosso amor e agradecimento.
Somos vaidosos sim em tê-la, em sermos seus  13 filhos que foram tão amados até quando, eu sei, parecia que tudo ia desmoronar.
Minha querida mãe, saiba que nada nesse mundo é mais forte do que o amor dispensado, saiba que somos tão fortes assim porque nos espelhamos no seu exemplo de  exercitar seu coração, todo tempo a nos acariciar com sues gestos ou essa inexplicável força que vem do seu bendito ventre.

LEMBRANÇA

Basta uma lembrança, esse estímulo da alma. Basta um único olhar cuidador para que tudo venha à tona. E aí percebe-se que não basta existi...