Wednesday, February 06, 2013

O ESPÍRITO DO PERDÃO

O perdão talvez seja um dos assuntos mais complexos de tratar.

Porque perdão não se promete, não se planeja.

Eu sempre me questionei muito sobre o perdão, sempre me cobrei a reponsabilidade em resolver isso dentro de mim.
Mas, ao mesmo tempo, decidi o que quero e o que não quero nesse contexto:
Não quero manter em mim nenhum grama do perdão que eu possuo trancado, escondido, aguardando que eu descubra sua preciosa presença perante alguém que seja digno dele.

Não quero considerar que as pessoas são indignas do meu "valioso" perdão e, se elas nunca me pedirem, eu o guardarei comigo.
Não quero armazenar o perdão em mim porque não quero que germine no meu coração como uma semente estragada, gerando frutos amargos.

O que quero é gerar em mim uma nova capacidade  de dissipar a raiva e o ressentimento.

Quero compreender que o perdão só tem valor quando é dado através do simples ato de perdoar.

Quero ter a capacidade de me livrar dos demônios do passado em relação aos quais não posso fazer nada e criar em mim novos, sempre novos, recomeços.

Quero alcançar a magnitude de perdoar mesmo aqueles que não o pedirem.
Quero esquecer o ato de ficar perdendo horas e horas maquinando revezes criados pela minha fúria.

Quero abrir mão da amargura e que minha alma se tranquilize e se solidarize com os outros.

Sei que  aqueles que criticam minhas metas e meus sonhos simplesmente não compreendem o desígnio superior a que sirvo.

E por fim quero aprender a perdoar a mim mesmo. Não quero ser meu maior inimigo pelos erros, enganos e deslizes cometidos.

Quero aprender a me perdoar por cada promessa não cumprida, cada dia desperdiçado, cada meta não alcançada.
E, ao me perdoar, apago da minha mente esses inimigos que insisto em deixar morar na minha cabeça.

Perdoando não permito que minha história  controle o meu destino.

DE REPENTE 51

De repente 51.. Não, não foi de repente. Foram todos, um a um construídos com a determinação que quem sempre soube o que veio fazer nesse...