Wednesday, August 26, 2015

FUNDO DO POÇO

Chegar ao fundo do poço não é uma tarefa fácil, para isso você tem que se desprender de tudo o que acredita, abandonar sua fé, suas esperanças, seu planos e seus anseios. 
Precisa abandonar o seu primeiro amor: o amor próprio.

Chegar ao fundo do poço não é simplesmente largar-se e deixar cair o corpo inerte. O caminho da descida é uma escolha bem difícil.

Mas se chegou até lá, saiba que poço não tem porão, ele tem um fim e sua chegada é dura.
Para alguns é um chão frio e compacto. 
Para outros é um limite, piso com uma mola pronta a ser ativada.

Momento de se recobrar, se recompor e de enfrentar-se.
o fundo do poço tem paredes com espelho que refletem o tempo todo a sua verdade, os seus medos e os motivos que o levaram ate lá.

Levante-se e pule, faça a mola agir  te levar para cima novamente.
Supere-se e saiba que aquela escuridão não lhe pertence, que ela existe para fazer com que valorizes mais a luz.
Olhe para cima e veja o facho brilhante que te espera, com novas perspectivas, com novos sonhos e a incrível oportunidade de recomeçar tudo de novo, tudo novo.
Basta um pulo mas para isso primeiro você precisa levantar-se, olhar no espelho e ver a sua subida como uma vitória pessoal.

O caminho de volta pode ser bem rápido, depende do impulso que você dá e da vontade que tem para sair daquele buraco que não foi feito pra você.

E quando o impulso te levar novamente para o alto, aí você vai ver o quanto é prazeroso ter a oportunidade de enxergar diferente, de perceber o que te fez cair e o que te fez voltar.

Lá no alto você vai perceber que as coisas mais simples são as que tem mantêm vivo e feliz.
E também vai perceber que sentimentos ruins são criados por nós mesmos e que o que é criado internamente, é lá que deve ser resolvido.

E, finalmente, percebe que precisa de muito esforço para cair e um só movimento para voltar.



No comments:

OS 3 PODERES

São Três: Uma subiu meteoricamente a qualquer custo. Outra desistiu de tudo e afundou-se em situações depressivas. E há aquela que ficou...